AgTech quebra a barreira de adoção no Brasil

0

Por Luiz Tângari

Tecnologia de informação no agronegócio deixou de ser um modismo (uma ideia) e já se tornou parte da realidade diária dos produtores em todo o Brasil. A tendência de empresas trazerem ferramentas de inovação digital para a agricultura (como ocorreu em táxis, bancos e educação) já é bem conhecida. Produtores por todo o Brasil já experimentam ofertas sofisticadas de tecnologia combinando sensores, drones, tablets e satélites.

Estas ofertas, no entanto, tiveram uma característica predominantemente experimental. Os produtores, já habituados a fazer testes com novidades em sementes e moléculas em pequenas áreas em suas fazendas, replicaram o mesmo comportamento com a tecnologia digital.

O fato é que até pouco tempo, apesar de um grande volume de produtores terem experimentado algum tipo de tecnologia, era muito raro ver algum destes produtos realmente incorporados à rotina da fazenda. Este fenômeno, chamado de “barreira de adoção” (soft adoption) era o principal gargalo para o desenvolvimento do setor.

Mas essa realidade mudou e conseguimos quebrar esta barreira

Nossa experiência na Strider mostra que para vencer essa barreira é preciso que a empresa seja realmente útil e entregue informações que possam ser usadas na tomada de decisão diária no campo, facilitando o gerenciamento operacional.

Também descobrimos como os produtores são pragmáticos e fazem questão de medir a relação custo/benefício do seu investimento na ponta do lápis. Por isso, a empresa deve oferecer uma maneira clara de mensuração de resultados, mostrando o impacto que sua ferramenta causa em produtividade e redução de custo.

Ser simples de usar e acessível é quase que obrigatório. As pessoas não querem perder tempo tentando decifrar sistemas complexos.

Um bom exemplo é a plataforma “myJohnDeere” que permite aos produtores extraírem mapas de plantio diretamente das plantadeiras. Uma ferramenta simples e acessível, compatível com outros sistemas. No tablet ou no computador, os produtores têm acesso rápido às informações ainda durante o plantio e podem tomar ações corretivas rapidamente.

Acredito que o diferencial também se faz no pós-venda. Uma empresa que se preocupa com a experiência e com o sucesso do cliente em campo, e que dá suporte às suas dúvidas e dificuldades, sem dúvida sempre estará à frente de seus concorrentes.

À medida que as empresas de AgTech forem se tornado capazes de quebrar a barreira de adoção, veremos mais e mais produtores incorporando tecnologias em suas rotinas. Os mais otimistas, acham que essa pode ser uma nova revolução verde, similar à que tivemos na década de setenta, com a adoção maciça de mecanização que permitiu ao Brasil se tornar referência em agricultura no mundo.

Assine a Revista Strider gratuitamente, envie sugestões de reportagens, dúvidas e novas ideias no e-mail:[email protected]Clique aqui e acesse a 2ª edição da publicação.

Leia mais notícias e novidades no Blog Por Dentro do Agro. Acompanhe nossas redes sociais em Facebook, Instagram, LinkedIn e Youtube.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.