Aviação agrícola é mesmo vantajosa?

0

As novas tecnologias de pulverização aérea, como o DGPS (Sistema de Posicionamento Global Diferencial), que hoje equipa todos os mais de 2000 aviões agrícolas que operam no Brasil, foram desenvolvidas para aumentar a precisão das aplicações. Outras, como a Certificação Aeroagrícola Sustentável (CAS), um programa de certificação que garante que a empresa está capacitada para prestar serviços seguros, de acordo com rígidas normas ambientais, dá aos produtores a segurança de que estão contratando um serviço confiável.

Para Eugênio Schröder, Engenheiro Agrônomo e Diretor da Schroder Consultoria, a adoção de modernas tecnologias no setor aeroagrícola possibilita muitos ganhos ao agronegócio. “A rentabilidade dos produtores rurais tem se mantido positiva por diversos motivos, como preços internacionais e câmbio favorável. Mas, é na adoção de modernas tecnologias que está o segredo do sucesso. E as aplicações aéreas têm sua contribuição neste cenário”, comenta.

O Engenheiro, que possui mestrado e doutorado com teses em aviação agrícola, avalia que a aviação agrícola bem utilizada traz benefícios aos negócios e para a sociedade como um todo – com o mínimo de impacto ambiental. “Pulverizações de agroquímicos com bicos que geram menos deriva têm minimizado o impacto ambiental e assegurado o melhor controle de doenças, com o consequente ganho financeiro para o agricultor”, explica.

Outra grande vantagem da pulverização aérea é a cobertura de áreas muito extensas e até mesmo remotas, onde não é possível a circulação de tratores pulverizadores. “A redução do volume de calda (taxa de aplicação) permite tratar mais hectares a cada decolagem, cobrindo toda a lavoura em pouco tempo, o que é feito num período com condições ambientais favoráveis. Aplicações mais precisas, resultam em maiores colheitas”, relata Eugênio.

O Engenheiro Agrônomo Marcelo Dresche também acredita que a aviação agrícola é uma importante ferramenta para o agronegócio. Ele analisa que são inúmeras as vantagens deste tipo de tecnologia na aplicação de defensivos, entre elas a praticidade e agilidade na resposta às ameaças no campo, além de evitar o amassamento das plantas e/ou a compactação do solo em função do uso de máquinas pesadas.

Outro ponto destacado por Dresche é que as atividades aeroagrícolas são realizadas por mão de obra especializada e todos os pilotos e auxiliares passam por treinamento específico antes de exercer a função. Isso faz com que ela seja mais segura e assertiva.

Schröder destaca que a capacitação é fundamental em todas as profissões, mas levar conhecimento técnico para o campo, tornando as operações mais produtivas e seguras é essencial. “Participamos da formação de um terço dos pilotos agrícolas que estão no mercado. Agrônomos têm sido habilitados como coordenadores em aviação agrícola, e técnicos agropecuários formam-se como executores em aviação agrícola”, finaliza.

No vídeo, Marcelo Dresche destaca as vantagens das aplicações aéreas

Aplicações aéreas corretas e seguras

Para o Diretor da Schroder Consultoria, que conta com 30 anos de experiência neste setor, o “planejamento da aplicação” é a chave do sucesso nas aplicações aéreas. Ele relata que esse planejamento passa por pontos importantes sendo que o primeiro é o conhecimento da área a tratar.

A seleção e regulagem dos equipamentos de aplicação, monitoramento das condições ambientais, observação de aspectos ligados à segurança operacional também são itens que devem ser avaliados. “Aplicação correta e segura é aquela focada no alvo a ser controlado (inseto, doença ou planta daninha), sem deixar de atentar para o entorno, evitando-se contaminações indesejadas”, reforça Schröder.

Alguns mitos e verdades sobre a aviação agrícola, de acordo com Eugênio Schröder

Mito: aviação agrícola polui.
Verdade: o que polui é o produto, se for mal aplicado.

Mito: aviação agrícola é perigosa.
Verdade: é um setor muito seguro, que cumpre rígidas normas de órgãos ligados ao voo, trabalho e agricultura.

Mito: piloto agrícola é “maluco” por voar baixo.
Verdade: piloto agrícola é disciplinado, treinado, e cumpre rígidos padrões operacionais, por isso consegue voar baixo e tratar com sucesso as lavouras.

Mito: aplicação terrestre é melhor porque usa mais água.
Verdade: aplicação aérea utiliza menor volume de água porque seus bicos de pulverização, aliados ao fluxo de ar que incide sobre eles, assim o exige. E a economia de água é benéfica para o ambiente.

Foto: Castor Becker Júnior/Sindag

Leia também: “Sindag avalia problemas na proibição da pulverização aérea”. Acompanhe nossas redes sociais em Facebook, Instagram, LinkedIn e Youtube.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.