Melhoramento genético de cenouras: veja os benefícios

Por Juliana Bonassa

0

No Brasil o cultivo da cenoura está dividido em verão e inverno, sendo o cultivo no verão de maior complexidade, uma vez que existem inúmeros fatores ambientais que influenciam no desenvolvimento da cultura como: temperatura, fotoperíodo, chuvas, problemas fitossanitários, entre outros que interferem na produção. Por isso a escolha e utilização de variedades adaptadas a estas condições são de extrema importância para os produtores obterem êxito no cultivo em estações mais quentes e úmidas.

A Agristar tem investido nos últimos anos em seu programa de melhoramento genético para culturas tropicais, entre elas a cenoura de verão, onde tem buscado o desenvolvimento de materiais adaptados às diferentes regiões do Brasil, com o objetivo de introduzir no mercado produtos que atendam às exigências tanto dos produtores quanto dos consumidores. Fruto desse trabalho, as cenouras híbridas de verão AGR 123 e AGR 125 foram lançadas recentemente no mercado, e são resultado da pesquisa com genética 100% nacional. São materiais que apresentam elevada produtividade, de ciclo precoce, entre 90 e 100 dias após semeio e são resistentes às principais doenças foliares.

“Ambas possuem raízes de formato cilíndrico com fechamento de pontas arredondado, pele muito lisa e coloração alaranjada intensa, tanto interna quanto externamente. São materiais de excelente padronização das raízes, o que contribuirá para melhor rentabilidade ao produtor. Outra característica importante que estes materiais apresentam é a possibilidade do produtor realizar colheita mecanizada, ambos se adéquam à prática”, explica o especialista em Bulbos e Raízes, Samuel Sant’Anna.

O conhecimento das condições climáticas da região que se pretende realizar o cultivo é determinante na escolha dos híbridos, pois o Brasil tem verões quentes e chuvosos, e a alta umidade relativa associada às temperaturas elevadas neste período, favorecem o surgimento dos patógenos causadores da principal doença que afeta a cultura, chamada de complexo das folhas, causada por Alternaria dauci, Cercospora carotae e Xanthomonas hortorum pv.carotae.

“Por isso, a importância da escolha de materiais que apresentem resistência a este complexo de doenças é fundamental, assim como outro fator importante a ser considerado é a época do semeio. Esta deve ser levada em consideração, uma vez que existe uma interação entre temperatura e fotoperíodo, que pode ocasionar o florescimento precoce em alguns casos, tornando as raízes sem valor comercial, condição indesejável aos produtores desta hortaliça, por isso o produtor deve estar atento na escolha dos materiais”, detalha Sant’Anna.

Leia a matéria na íntegra no site do Grupo Cultivar.

Assine a Revista Strider gratuitamente. Clique aqui e acesse a 6ª edição da publicação.

Leia mais notícias e novidades no Blog Por Dentro do Agro. Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn

 

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.