Solo equilibrado é determinante na produtividade da soja

0

O alto rendimento na produção de soja passa especialmente pelo encontro do equilíbrio químico do solo no qual o produtor irá semear a lavoura. O índice considerado ideal ou indicado para alcançar este alto patamar de produtividade, de acordo com os especialistas, é de um resultado de 4,2 mil quilos por hectare da oleaginosa, o que equivale a pelo menos 70 sacos por hectare. Mas ainda são poucos os agricultores que conseguiram atingir este nível de adubação equilibrada.

O engenheiro agrônomo da SulGesso, Eduardo Silva e Silva, especialista em solo, lembra a recomendação aos produtores que plantaram durante o inverno uma lavoura de trigo ou alguma cultura de pastagem: que seja feita uma análise química para ver os níveis de nutrientes que restaram no solo. “Geralmente é no perfil da camada de zero a 20 onde a planta se alimenta principalmente de macronutrientes, enquanto que na camada de 20 a 40 a planta busca água e micronutrientes”, explica.

Silva ressalta que a soja exporta, por tonelada de grão, cerca de 17 quilos de cálcio. O especialista afirma que, se o produtor produziu quatro toneladas de grão, retirou do solo em torno de 67 quilos de cálcio por hectare que precisam ser repostos. “Vale lembrar que a cultura de inverno também retira este cálcio. O produtor que não fez a análise, se ele tem uma expectativa de colheita de quatro toneladas por hectare, é disso que ele vai precisar de cálcio. Para esta mesma lógica, por tonelada de grão, são extraídos 8,8 quilos de enxofre. Se este produtor produziu as mesmas quatro toneladas de soja, ele estará retirando 35 quilos de enxofre do solo”, observa.

Com isso, o agrônomo da SulGesso salienta que se o produtor decidir no momento da semeadura que quer produzir quatro toneladas por hectare, o solo precisa estar suprido com 67 quilos de cálcio e 35 quilos de enxofre. “O planejamento para a cultura da soja ou até mesmo do milho é parte desta lógica. Precisamos considerar que as culturas de inverno se nutrem e extraem nutrientes e se não tomarmos o cuidado de fazer uma análise do solo ou não tivermos uma ideia do que a cultura vai retirar do solo para aquela expectativa de produtividade, corremos o risco de não ter os nutrientes necessários para aquela planta que tem uma genética de alta produção, não manifestando todo seu potencial produtivo”, destaca.

De acordo com Silva, o fenótipo das plantas é igual a genótipo mais ambiente, sendo este fenótipo representado pela produtividade. “A genética (genótipo) são dez parâmetros, mas nisto não se mexe, pois as empresas têm seus mecanismos dentro da semente, mas no ambiente eu consigo mexer, e este ambiente é formado por no mínimo 52 parâmetros. Se conseguirmos ajustar alguns deles como a nutrição, o fornecimento de água e o planejamento da semeadura com itens como: época certa, espaçamento entre linhas, escolha correta da cultivar e densidade de plantas, somado à introdução da quantidade correta de nutrientes e equilíbrio químico, o produtor terá grande possibilidade de alcançar o alto rendimento”, complementa.

Fonte: Grupo Cultivar

Leia também: Você Sabe Avaliar A Saúde Da Sua Planta? Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

 

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.